Busca pela categoria "Política"
Bolsonaro diz que País 'vai para frente' com preço do combustível normalizado
Foto: Reprodução
Política 18 Ago 2022 - 18:00
Bolsonaro diz que País 'vai para frente' com preço do combustível normalizado

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira, 18, ao chegar à Arena Farma Conde, em São José dos Campos (SP), que o País "vai para frente" com o preço dos combustíveis sendo normalizado. Nos últimos meses, o governo fez uma ofensiva para tornar gasolina e diesel mais baratos, às vésperas da eleição. Com apoio do Congresso, o Planalto conseguiu aprovar um teto de 17% para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado pelos Estados e auxílios a caminhoneiros e taxistas. "Não foi fácil enfrentar o lobby dos combustíveis, mas estamos vencendo. E vocês vejam o que está acontecendo. Como eu disse, a gasolina, o diesel, o álcool, que são o combustível de todos nós, tendo seu preço normalizado, o Brasil vai para frente", declarou Bolsonaro, a apoiadores, ao lado dos ex-ministros Tarcísio de Freitas (Republicanos), candidato ao governo de São Paulo, e Marcos Pontes (PL), que vai disputar uma vaga no Senado. O presidente também voltou a exaltar os resultados da economia neste ano. Bolsonaro tem sido aconselhado por integrantes da campanha à reeleição a abordar temas econômicos em seus discursos para tentar ampliar seu eleitorado. "Vocês acompanham os números da economia. Nenhum país do mundo está indo tão bem quanto o nosso Brasil", disse o chefe do Executivo, que visitou mais cedo o Parque Tecnológico em São José dos Campos.

TRE determina retirada de conteúdos publicitários do site da Conder
Foto: Reprodução
Política 18 Ago 2022 - 17:00
TRE determina retirada de conteúdos publicitários do site da Conder

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE) determinou a  retirada de conteúdos publicitários do site Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder), sob pena de multa de R$ 5 mil em caso de descumprimento. De acordo com a representação, feita pela coligação "Pra Mudar a Bahia", liderada por ACM Neto, o órgão tem veiculado publicidade institucional de atos do governo, mesmo esta divulgação estando proibida desde o dia 2 de julho, conforme a legislação eleitoral. Na decisão, o desembargador Paulo Sergio Barbosa de Oliveira, relator do caso, diz que as provas acostadas mostram que há verossimilhança em relação ao teor da representação no sentido de que a Conder tem feito propaganda institucional em seu site oficial, o que é proibido nos três meses que antecedem o pleito eleitoral. Ele deu 24 horas para que a decisão seja cumprida. De acordo com o advogado da coligação "Pra Mudar a Bahia", Ademir Ismerim, diversas reportagens veiculadas no período após 2 de julho continuam sendo postadas e mantidas no site oficial da Conder. "Nestes termos, o representado continua, muito tempo após o início do período vedado, de forma ampla e irrestrita, a divulgar os atos, programas, obras, serviços e campanhas", ressalta. Diz ainda que no documento comprobatório foi coletado no dia 8 de agosto, de forma a demonstrar o total descumprimento ao lapso temporal definido pela Lei das Eleições. "Sendo assim, o ilícito eleitoral resta configurado, uma vez que há a manutenção da publicidade institucional em período inequivocamente vedado", salientou. No mérito, a coligação pede que o presidente da Conder, José Trindade, seja condenado a multa de R$ 100 mil, conforme previsto no artigo 73, inciso 4º, da Lei 9.504/1997 e no artigo 83, inciso 4º, da Resolução do TSE n. 23.610/2019.

Ex-presidentes ignoram Bolsonaro em cerimônia de posse no TSE; assista
Foto: Antonio Augusto - Secom - TSE
Política 18 Ago 2022 - 10:30
Ex-presidentes ignoram Bolsonaro em cerimônia de posse no TSE; assista

A participação de Jair Bolsonaro (PL) na cerimônia de posse do ministro Alexandre de Moraes na presidência do TSE concentrou as atenções da imprensa e de políticos. Todos os ex-presidentes da República foram convidados e o único que não marcou presença foi Fernando Collor de Mello, hoje aliado de Bolsonaro. A cena da apresentação de Bolsonaro ao público, entretanto, despertou a curiosidade nas redes sociais. Enquanto alguns aplausos tímidos recepcionavam o atual chefe do Executivo, ao menos três ex-presidentes ignoraram a apresentação. Sentados na mesma fileira, os ex-presidentes Lula (PT), Dilma Roussef (PT) e Michel Temer (MDB) não aplaudiram Bolsonaro. O semblante pouco amigável de Dilma Roussef se tornou motivo de piada nas redes sociais. A página de humor 'Dilma Bolada', que desde 2010 faz sátiras em apoio à petista, repostou o vídeo com a seguinte legenda: "Não sou, nunca fui e jamais serei obrigada".

Assista:

Maioria dos deputados do Centrão esconde o partido nas redes sociais
Foto: Patrick Cassiano - Blog Regional
Política 18 Ago 2022 - 08:57
Maioria dos deputados do Centrão esconde o partido nas redes sociais

Desde a terça-feira (16), primeiro dia de campanha eleitoral, candidatos omitem os seus partidos na propaganda divulgada nas redes sociais, aponta reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo”. De acordo com a publicação, políticos do Centrão são os que mais escondem suas legendas. Líderes na disputa presidencial, o petista Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro (PL), deixam de informar seu partido nos santinhos eletrônicos. Os candidatos a deputado federal que disputam a reeleição pelo partido do presidente são um dos que mais escondem o partido: apenas 17,7% dos deputados federais do PL que tentam renovar o mandato em outubro deste ano contam aos seus eleitores em que agremiação estão filiados.

Lula defende que bancos públicos façam parte das políticas sociais
Foto: Reprodução - Youtube - Lula Oficial
Política 17 Ago 2022 - 17:00
Lula defende que bancos públicos façam parte das políticas sociais

O candidato à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), defendeu nesta quarta-feira (17) que os bancos públicos renegociem as dívidas de pequenos e microempresários adquiridas durante a pandemia. As informações são da Agência Brasil. “A gente não pode deixar que vocês morram por causa das dívidas que vocês contraíram por conta da pandemia. Portanto, nós vamos ter que levar muito em conta e muito a sério essa questão da negociação da dívida de vocês”, disse ao discursar em um evento para empreendedores em um hotel na capital paulista. Segundo o candidato, é necessário que os bancos públicos façam parte das políticas sociais. “O Banco do Brasil parece bonzinho se tiver orientação governamental. Porque se não tiver orientação, a burocracia do Banco do Brasil pensa como banco privado. É preciso que a gente enquadre o Banco do Brasil”, declarou. No entanto, o ex-presidente ponderou que essa mudança de direção deve acontecer sem causar danos às instituições financeiras. “Nós não queremos que os bancos públicos tenham nenhum prejuízo. Mas nós não queremos que eles tenham os mesmos lucros dos bancos privados. Eles têm que prestar uma função social”, afirmou. Para Lula, a mudança de orientação também deve ser realizada em relação ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. “O BNDES vai ter que deixar de fazer empréstimo para grandes empresas e vai ter que se dedicar para emprestar para pequenos e médios empresários, para pequenos e médios empreendedores. Porque o restante pode tomar empréstimo em dólar em qualquer lugar, mas o pequeno não tem jeito”, ressaltou. Ainda na opinião do candidato, apenas com as políticas públicas é possível incentivar e tornar os pequenos negócios competitivos. “O cara que quer abrir um bar, uma pizzaria, uma sorveteria, um restaurante, um instituto de beleza, essa gente não tem financiamento. E se pegar financiamento quebra, porque ninguém consegue pagar 14%, 16% ou 20% de juros ao mês. E somente o Estado consegue fazer com que essas coisas aconteçam com muita justiça”, ressaltou. Além de redefinir as políticas dos bancos públicos, Lula disse que pretende recriar o ministério com foco nos micro e pequenos empreendimentos, assim como estabelecer uma pasta ministerial para atender especificamente os povos indígenas e quilombolas. “Vou criar o Ministério dos Povos Originários para que um índio seja ministro”.

Alexandre de Moraes toma posse no TSE e enaltece a confiança no voto eletrônico
Foto: Antonio Augusto - Secom - TSE
Política 17 Ago 2022 - 10:00
Alexandre de Moraes toma posse no TSE e enaltece a confiança no voto eletrônico

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, defendeu hoje (16) a democracia e o sistema eleitoral durante discurso de posse. No início da noite, Moraes assumiu a presidência do TSE, sucedendo o ministro Edson Fachin, para cumprir mandato de dois anos. O novo vice-presidente é o ministro Ricardo Lewandowski. O novo presidente iniciou seu discurso afirmando que a Justiça Eleitoral atua com transparência e honra sua história vocação de concretizar a democracia. “Somos a única democracia do mundo que apura e divulga os resultados eleitorais no mesmo dia, com agilidade, segurança, competência e transparência. Isso é motivo de orgulho nacional”, declarou. Sobre as urnas eletrônicas, o presidente disse que sempre haverá o aperfeiçoamento do sistema, fato que garante a divulgação do resultado no mesmo dia da votação. “Os brasileiros e brasileiras teclaram com confiança o seu voto, aguardando a apuração, a proclamação do resultado no mesmo dia para segurança, tranquilidade e orgulho de nossas eleitores e eleitoras”, disse. O ministro também afirmou que o exercício da democracia garante a possibilidade periódica do eleitor escolher seus representantes. “Respeito às instituições é o único caminho de crescimento e fortalecimento da República, e a força da democracia como único regime político, onde todo poder emana do povo e deve ser exercido pelo bem do povo”. No final do discurso, Moraes pediu respeito à democracia. “É tempo de união. É tempo de confiança no futuro e, principalmente, tempo de respeito, defesa, fortalecimento e consagração da democracia”, completou. 

Ipec: Lula sai na frente no 1º turno com 44%; Bolsonaro tem 32%
Foto: Reprodução
Política 16 Ago 2022 - 13:00
Ipec: Lula sai na frente no 1º turno com 44%; Bolsonaro tem 32%

A pesquisa Ipec divulgada na segunda-feira (15), encomendada pela TV Globo, apontou que o ex-presidente Lula (PT) lidera o primeiro turno, com 44% das intenções de voto e o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece com 32% na corrida ao Palácio do Planalto. Quem aparece em seguida é Ciro Gomes (PDT), com 6% das intenções. Simone Tebet (MDB), com 2%, e Vera (PSTU), com 1%, também pontuaram e estão empatadas na margem de erro. Os nomes de Constituinte Eymael (DC), Felipe d'Avila (NOVO), Léo Péricles (UP), Pablo Marçal (PROS), Sofia Manzano (PCB) e Soraya Thronicke (UNIÃO) foram citados, mas não atingiram 1% das intenções de voto, cada um. No cenário estimulado, 8% optaram Branco/nulo e 7% Não sabe/não respondeu. O nome do candidato Roberto Jefferson (PTB) não consta nesta pesquisa. Segundo o Ipec, o motivo é que, quando a pesquisa foi registrada no TSE, ainda não havia informações suficientes sobre a candidatura, que foi oficializada posteriormente. O Instituto ouviu 2.000 pessoas entre os dias 12 e 14 de agosto em 130 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o código BR-03980/2022. 

Bolsonaro pede a banqueiros para que não assinem 'cartinhas'
Foto: Wilson Dias - Agência Brasil
Política 12 Ago 2022 - 13:00
Bolsonaro pede a banqueiros para que não assinem 'cartinhas'

O presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu, na última segunda-feira (8), o seu governo e atacou o PT em almoço na Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em São Paulo. O encontro ocorreu após uma série de críticas de Bolsonaro a banqueiros, que, segundo ele, teriam assinado manifestos em defesa da democracia como uma reação à criação do PIX. Para o presidente, os manifestos são "cartinhas", e os banqueiros precisam julgá-lo por suas ações. "Alguém recontrataria empregado que roubou sua empresa no passado? Acho que não", afirmou o presidente, em referência ao candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva. Na sequência, Bolsonaro seguiu os ataques ao petista: "Alguns acham que o canalha que estava preso vai voltar para não continuar o que estava fazendo". "Vocês têm que olhar na minha cara, ver minhas ações e me julgar por aí. Não assinar cartinha, não vai assinar cartinha", afirmou o chefe do Executivo em referência à Carta em Defesa da Democracia que foi lida nesta quinta-feira (11), em diversas partes do país. "Quem quer ser democrata não tem que assinar cartinha, não", completou. Bolsonaro também pediu a redução dos juros cobrados sobre empréstimos consignados contraídos por inscritos no Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas de baixa renda com deficiência. "Faço apelo para vocês agora, vai entrar pessoal do BPC no consignado. Isso é garantia, desconto em folha. Se puderem reduzir o máximo possível (os juros)", afirmou o presidente, lembrando o episódio em que pediu aos supermercadistas um corte da margem de lucro na cesta básica. Lei sancionada na quarta-feira da semana passada autoriza a concessão de crédito consignado a inscritos nos programas de renda do governo, ao limite de 40%. Instituições bancárias, porém, resistem a aderir à proposta, vista pela campanha à reeleição como possível alavanca para Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto. Como resposta, o presidente ouviu que a política de juros não é responsabilidade só do setor bancário. "As taxas de juros precisam realmente ser mais baixas, mas isso não depende apenas da vontade dos bancos", disse o presidente da Febraban, Isaac Sidney. 7 Segundo ele, os bancos também defendem juros baixos, mas que, para as taxas caírem, as condições da economia têm de permitir. O líder da entidade do setor financeiro disse ainda que a Febraban está aberta ao diálogo com o presidente. "Portanto, sinta-se à vontade, presidente, para colocar sua visão na forma e no tempo que lhe convier", disse ele, de acordo com discurso obtido pelo Estadão.

 

TCU entrega à Justiça Eleitoral lista de 6.804 gestores públicos com contas julgadas irregulares
Foto: Valter Campanato - Agência Brasil
Política 11 Ago 2022 - 21:00
TCU entrega à Justiça Eleitoral lista de 6.804 gestores públicos com contas julgadas irregulares

O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou a entrega, nesta quarta-feira (10) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de uma lista com os nomes de 6.804 gestores ou ex-gestores que tiveram as contas julgadas irregulares pela Corte nos últimos oito anos. Uma pessoa nesta situação, após julgamento no qual não cabe mais recurso, nos oito anos anteriores a uma eleição, pode ser declarada inelegível pela Lei da Ficha Limpa. No entanto, o TCU ressalta que isso não ocorre automaticamente. Só entra na lista do TCU o gestor que teve contas julgadas irregulares em processos dos quais não cabem mais recursos nas seguintes situações: prejuízo aos cofres públicos devido a ato de gestão ilegítimo ou antieconômico, desfalque ou desvio de dinheiro, bens ou valores públicos, omissão no dever de prestar contas e prática de ato de gestão considerado ilegal, ilegítimo ou antieconômico. A entrega da lista foi feita presencialmente pelo presidente interino do TCU, ministro Bruno Dantas, ao presidente do TSE, ministro Edson Fachin. A lista de responsáveis com contas julgadas irregulares nos últimos oito anos está disponível para consulta no site do TCU, na aba "Lista Eleitoral". O Tribunal fará a atualização diária dos dados até 31 de dezembro, por isso, o número poderá mudar até o fim do ano.

 Em 2020, ano de eleição municipal, a lista fechou o ano com 7.468 pessoas. Em 2018, ano de eleições gerais, com 7.330, segundo a base de dados do TCU. Quando o assunto é a inelegibilidade das pessoas com nome na lista, o TCU aponta que cabe à Justiça Eleitoral declarar esta condição com base nos critérios definidos na Lei da Ficha Limpa. Em ano eleitoral, o papel do TCU se restringe a enviar ao TSE a lista de pessoas físicas que tiveram suas contas julgadas irregulares nos últimos oito anos que antecedem a eleição. Segundo o TSE, quando uma candidatura é registrada, o juiz eleitoral analisa se o ato é válido ou não, e um dos critérios usados é justamente a lista do TCU. A partir da divulgação da lista, Ministério Público Eleitoral, candidatos, coligações e partidos podem solicitar a análise das candidaturas. Segundo o TSE, no encontro, o ministro Edson Fachin afirmou que "não pesa dúvida de que seguiremos irmanados nos melhores propósitos de defesa da democracia e da lisura das eleições". "Fomentamos que as eleições sejam o campo das disputas limpas. Temos combatido a desinformação, ataques infundados à democracia e ao processo eleitoral, a violência política", afirmou Fachin. Bruno Dantas reforçou que o TCU atestou a confiabilidade das urnas eletrônicas e que o TSE atendeu a todos os pedidos de informações. "Qualquer obra humana pode ser aperfeiçoada, mas esses aprimoramentos precisam derivar de sugestões e críticas, sobretudo, sinceras", disse.

CONTINUE LENDO
'Sabemos o viés de esquerda da maioria dos ministros', diz Bolsonaro sobre a composição do STF
Foto: Isac Nóbrega - PR
Política 11 Ago 2022 - 14:00
'Sabemos o viés de esquerda da maioria dos ministros', diz Bolsonaro sobre a composição do STF

O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição este ano, disse na noite de segunda-feira (8), durante participação no podcast Flow, que a maioria dos ministros que integram o Supremo Tribunal Federal (STF) possuem um "viés de esquerda". Segundo o presidente, há uma contradição na posição dos magistrados contrária ao desarmamento, uma vez que eles fazem uso de segurança armada. "Nós sabemos o viés de esquerda da maioria dos ministros do Supremo, que são favoráveis ao desarmamento, mas não abrem mão de segurança armada e nem carro blindado", afirmou. Na ocasião, Bolsonaro ainda acrescentou que os ministros que se sentem "ofendidos" com o Ato Institucional número 5, implementado para cercear uma série de liberdades durante o regime militar, são "frouxos". Segundo o presidente, não é preciso ter medo. "Um ministro do Supremo se vê ofendido com AI-5, esse ministro é um frouxo. Não existe AI-5, tá com medo de quê? O que é o Ato Institucional Nº 5? Permitia a cassação de parlamentares sem processo nenhum. Chegava a lista e estava na rua. A grande maioria dos cassados do AI-5, as listas eram feitas pelas mesas da Câmara", disse. O STF disse que não irá se pronunciar sobre as declarações de Bolsonaro no podcast.

Secretária chama ACM Neto de covarde 'Traição sórdida e rasteira'
Foto: Divulgação
Política 10 Ago 2022 - 11:00
Secretária chama ACM Neto de covarde 'Traição sórdida e rasteira'

A secretária de Habitação de Feira de Santana, e ex-vereadora, Cintia Machado, utilizou as redes sociais para externar a indignação com a não indicação do ex-prefeito José Ronaldo como vice-governador na chapa majoritária de ACM Neto ao Governo da Bahia. As informações são do Blog do Lau. Cintia críticou o candidato do União Brasil e não escondeu a decepção com a escolha. Neto anunciou Ana Coelho (Republicanos) como a vice na tarde da última quinta-feira, 4. Cintia citou como princípios imutáveis a lealdade, fidelidade e amizade, que de acordo com ela, vem com a educação. “Ouvir o candidato ACM Neto falar na coletiva, como se nada tivesse acontecido, que o mais velho da chapa é ele que tem 43 anos. Como se isso fosse alguma coisa. Tenho 20 anos de vida pública e quero sempre ter ao meu lado os mais velhos porque eles sempre vão ter experiências que nós não temos. Eles sempre vão ter conselhos a nos dar”, disse. A secretária chamou de “conversinha” a forma como Neto descartou o ex-prefeito José Ronaldo de Carvalho. “Mas foi Ronaldo que colocou o próprio nome há quatro anos a disposição quando ele não teve coragem. Foi covarde. Não foi candidato a governador porque sabia como estavam as pesquisas. Mas o nosso ex-prefeito foi corajoso. Foi para ganhar ou perder”, relembrou. Cintia lembrou ainda que, desde o início da pré-campanha,, foi Ronaldo quem levou a ACM Neto diversos prefeitos e fez praticamente a campanha. “Muitos prefeitos nem queriam ficar com ACM Neto. E recebemos essa notícia de que uma mulher, que ninguém sabe quem é, nem conhece, com todo respeito a mulher, assume a vice. É ótimo uma mulher na chapa, mas também uma traição o que ele fez com José Ronaldo”. A secretária disse "esperar que a cidade de Feira de Santana dê a resposta a Neto nas urnas", já que são mais de 400 mil feirenses votantes. “Somos nós que precisamos mostrar para ele que Feira de Santana é uma cidade que ele deveria respeitar. Ele mostrou não só falta de respeito pelo ex-prefeito José Ronaldo, mas pelo prefeito Colbert, por todos nós e pela cidade”, relatou. Cintia, apesar de tudo, disse esperar que Neto ganhe a eleição para governador.  "Espero que tenha segundo turno. Acho que ele deu o presente, talvez, que muitas pessoas gostariam quando tirou o ex-prefeito José Ronaldo de ser o vice. Todo tempo quem andou ao lado dele, foi leal e teve com ele todos os momentos foi o ex-prefeito José Ronaldo. Ninguém vai me convencer do contrário. O meu voto ele não tem”, garante. Solidária ao prestar solidariedade a José Ronaldo, Cintia disse que quem perde com tudo isso é a Bahia. “Quem perde com tudo isso é ele, que não vai tem ao lado um homem digno e preparado”. E dirige-se ao candidato do UB. “O senhor teria conselhos que nenhum desses ‘jovenzinhos’, como falou, teria para dar nos momentos difíceis. E vai lembrar-se disso. No momento difícil que passar no governo, vai lembrar que poderia ter o José Ronaldo como conselheiro e não terá. Tenho certeza absoluta disso”. Cintia garantiu que está ao lado de Ronaldo, independente da situação de "traição sórdida". A secretária ressaltou que em 20 anos de vida pública nunca viu "tamanha traição". “Estamos acostumados a ver uma traição ali e aqui, mas essa foi uma traição sórdida, rasteira. E ainda começa a fazer um discurso sorrindo, como se o ex-prefeito José Ronaldo nem existisse e já falando da candidata a vice que caiu de paraquedas não sei de onde e falando sobre idade”, lamentou. Na opinião da secretária, ACM Neto descartou José Ronaldo por causa da idade. “Descartar uma pessoa, porque ele falou dessa forma, pela idade, que a chapa é toda de jovens. Isso já me deixa preocupada porque nós jovens precisamos sempre dos mais velhos. Precisamos de todos, já que aprendemos todos os dias. É lamentável. Deixo aqui a minha indignação em relação a essa chapa ao Governo do Estado”, finalizou. 

Bolsonaro é o mais rejeitado entre os que moram em favelas e Lula lidera, diz pesquisa
Foto: Reprodução
Política 09 Ago 2022 - 14:00
Bolsonaro é o mais rejeitado entre os que moram em favelas e Lula lidera, diz pesquisa

O presidente Jair Bolsonaro (PL) é o candidato mais rejeitado entre os eleitores que vivem nas favelas, de acordo com a pesquisa inédita G10 Favelas/Favela Diz, divulgada na manhã desta terça-feira (9) e publicada pelo UOL. De acordo com o levantamento, o ex-presidente Lula têm a preferência de 38% dos entrevistados e Bolsonaro tem 31%. Ciro Gomes (PDT) aparece isolado na terceira colocação com 7%. Todos os outros candidatos juntos somam 2%. A margem de erro é de dois pontos percentuais. O recorte representa 17 milhões de pessoas que vivem nas favelas, que correspondem a 8% de toda a população brasileira. Quando questionados em quem não votariam em nenhuma hipótese, Bolsonaro tem ampla vantagem com 45,25%, enquanto Lula tem 32,09%. Ciro novamente aparece em terceiro com 4,10%. Apesar da rejeição, o governo Bolsonaro foi considerado o melhor da história por 21,15% dos entrevistados. O ex-presidente Lula, contudo, parece ter deixado uma melhor impressão para uma parcela maior, com 48,65% reconhecendo que o seu governo foi o melhor de todos.  O mandato de Fernando Henrique Cardoso é o escolhido por 8,85% dos entrevistados e o de Dilma Roussef (PT) por 1,90%, praticamente o mesmo índice da avaliação de Fernando Collor (1,60%). Para Marx Rodrigues, CEO do instituto Favela Diz, há uma memória afetiva em relação aos governos de Lula e Bolsonaro.  "O governo Lula se solidificou como um governo que ascendeu classes. Agora, o governo Bolsonaro intensifica fortemente os programas sociais e tende a quebrar a rejeição dentro desse eleitorado pesquisado", analisa. Ele pondera, contudo, que será preciso observar as mudanças nos próximos anos para perceber o efeito na popularidade de Bolsonaro.

FSB/BTG: Lula tem 41% e Bolsonaro aparece com 34%
Foto: Reprodução
Política 08 Ago 2022 - 11:15
FSB/BTG: Lula tem 41% e Bolsonaro aparece com 34%

A nova rodada de pesquisa do instituto FSB Comunicação, encomendada pelo banco BTG Pactual, mostra o ex-presidente Lula (PT) com a preferência de 41% dos eleitores em simulação do primeiro turno, enquanto o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) tem 34%. Em comparação ao último levantamento realizado há duas semanas, Lula oscilou negativamente 3 pontos e Bolsonaro, por sua vez, cresceu 3%. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) surge com 7%, à frente de Simone Tebet (MDB), com 3%. André Janones (Avante), que retirou a candidatura para apoiar Lula, ainda aparece na pesquisa e tem 2%. José Maria Eymael (DC) tem 1%. Felipe D’Ávila (Novo), Vera Lúcia (PSTU), Sofia Manzano (PCB), Leonardo Péricles (UP) e Roberto Jefferson (PTB) não pontuaram. No segundo turno, Lula (PT) venceria Bolsonaro por 51% a 39%, segundo informações do Poder360. Foram entrevistadas 2.000 pessoas entre 5 e 7 de agosto de 2022. Está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-08028/2022. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%. Custou R$ 128.957,83 e foi paga pelo banco BTG Pactual.

Presidente sanciona piso para enfermagem sem reajuste automático
Foto: Fabio Rodrigues - Pozzebom
Política 05 Ago 2022 - 13:00
Presidente sanciona piso para enfermagem sem reajuste automático

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira (4), em cerimônia no Palácio do Planalto, o projeto de lei (PL) 2564/20, que institui o piso salarial nacional para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras. No caso dos primeiros, o piso passará a ser de R$ 4.750. Para técnicos, o valor deve ser correspondente a 70% dessa marca, enquanto auxiliares e parteiras terão direito a 50%. O texto foi aprovado pelo Congresso Nacional no mês passado. A instituição do patamar salarial era uma luta histórica da categoria, que representa cerca de 2,6 milhões de trabalhadores. "Hoje é um dia muito importante, não só para a enfermagem brasileira, mas para a saúde pública do Brasil. Não há saúde pública sem a nossa enfermagem", afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Segundo ele, por razões de constitucionalidade, o presidente vetou um dos artigos do PL, que determinava um reajuste anual do novo piso com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), um dos indicadores de inflação. De acordo com a presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Maria Pereira dos Santos, mais de 80% da categoria recebe valores inferiores ao novo piso, que agora é lei. "Existe uma precariedade infinita com relação a salários da enfermagem. Agora, pela lei, vamos ter um piso, é o mínimo", afirmou, após a cerimônia. Para viabilizar a aprovação do piso nacional da enfermagem, o Congresso Nacional promulgou uma emenda constitucional para dar segurança jurídica ao projeto, inserindo o tema na Constituição Federal. Depois disso, o projeto de lei que efetivamente estabelece os novos valores foi aprovado com chancela da ampla maioria de lideranças e bancadas partidárias. 

  Fachin agradece ao presidente do Senado por defesa ao processo eleitoral brasileiro
Foto: Reprodução
Política 05 Ago 2022 - 12:00
Fachin agradece ao presidente do Senado por defesa ao processo eleitoral brasileiro

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, agradeceu nesta quinta-feira (4) ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), por ter defendido a Justiça Eleitoral, o processo democrático e as urnas eletrônicas durante discurso com que abriu o semestre legislativo, na quarta-feira (3). Ao encerrar a sessão plenária desta quinta-feira (4) no TSE, Fachin disse ter enviado mensagem de gratidão a Pacheco, na qual elogiou o discurso “firme e sereno” do senador. Em seu discurso, o parlamentar afirmou  ter “plena confiança no processo eleitoral brasileiro, na Justiça Eleitoral e nas urnas eletrônicas, por meio das quais temos apurado os votos desde 1996”. Ao agradecer a declaração, o presidente do TSE disse que “os anais da história escreverão, no futuro, os nomes em uma das seguintes duas listas: uma com os defensores da democracia, na qual, de modo sobranceiro, se inscreve o presidente do Congresso Nacional, senador Pacheco, e outra com os cúmplices do populismo autoritário”, declarou.

Adicione nosso WhasApp

77 99828-5766

Redes Sociais