Política

Com acordo selado para presidir a AL-BA em 2021, Adolfo Menezes rebate argumento de Nelson Leal para reeleição: Não se sustenta

27 Julho 2020 - 09:25

Com acordo selado para presidir a AL-BA em 2021, Adolfo Menezes rebate argumento de Nelson Leal para reeleição: Não se sustenta

Foto: Divulgação

O deputado estadual Adolfo Menezes (PSD), para quem foi prometido o cargo de presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) no biênio 2021-2022, rebateu o argumento do atual ocupante da função, Nelson Leal (PP), de que merecia ser reeleito já que, por causa da pandemia do novo coronavírus, o ano de 2020 tem sido "perdido". "O argumento, pra mim, não se sustenta. Se fosse assim, o prefeito ACM Neto (DEM) vai dizer que quer mais um mandato porque perdeu esse ano. Os gastos da AL-BA continuam o mesmo, o dinheiro não diminuiu", disse, em entrevista ao BNews na sexta-feira (24). Em entrevista ao jornalista José Eduardo, na Rádio Metrópole, em junho, Leal confirmou que vai tentar se reeleger presidente da AL-BA. Ano passado, o BNews revelou a existência de um planejamento nos bastidores para o pepista continuar na cadeira de presidente. A reeleição quebraria um acordo com o grupo do governador Rui Costa (PT), uma vez que a escolha de Menezes para o cargo em 2021 já havia sido sacramentada. Para conseguir ser reeleito, o atual presidente teria que conseguir mudar, novamente, o regimento da Casa e permitir a reeleição. Em 2017, a possibilidade de reeleição foi proibida após aprovação, por unanimidade, da proposta, da qual o próprio Adolfo Menezes foi relator. A AL-BA é integrada por 63 deputados. "Seria difícil, depende dos votos abertos de 3/5. E o presidente não vota. São os mesmos [deputados] que votaram contra a reeleição há 3 anos. Qual seria a justificativa agora?", indagou Menezes. Alguns deputados já vieram a público se manifestar contra a ideia de reeleição. Em entrevista ao vivo ao quadro Política Agora, do BNews, na quarta-feira (22), Robinson Almeida (PT) elogiou a gestão de Nelson Leal, mas se posicionou contra a proposta. "Esse um ano e meio de gestão de Nelson Leal eu avalio como positivo o esforço que tem feito pra equilibrar as contas na AL-BA, honrar os compromissos com os servidores, fornecedores. Agora, não sou favorável à reeleição. E não é para o 'caso Nelson Leal'. Eu creio que é muito saudável pro Poder Legislativo que haja sempre uma renovação no exercício do presidente", argumentou.